0

Tensão com o protesto contamina Congresso

Convocação das Forças Armadas provocou briga entre parlamentares. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência BrasilO caos que se instalou na Esplanada dos Ministérios com as manifestações contra o presidente Michel Temer e o uso das Forças Armadas tiveram conse­quências diretas no Congresso, anulando, nesta quarta (24), qualquer possibilidade de se dar o “clima de normalidade” que o governo havia cobrado de aliados. Deputados chegaram a se agredir fisicamente. No início da noite, oposicionistas resolveram abandonar o plenário, o que permitiu ao governo aprovar medida provisória acerca da regularização fundiária urbana e rural.

Sob gritos de “fora, Temer!” e “Diretas Já!”, deputados da oposição ocuparam a Mesa Diretora, quando o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), deixou a sessão para falar com Temer. Diante da mesa, abriram uma faixa onde se lia “#FORATEMER”. O deputado Mauro Pereira (PMDB-RS) arrancou a faixa, dando início a um pequeno tumulto. Deputados chegaram a se empurrar.

Maia reassumiu o comando da sessão e tentou conduzir a votação da medida provisória. Foi questionado sobre sua participação na edição do decreto que autoriza a atuação das Forças Armadas nas ruas do Distrito Federal.

O governo atribuiu a medida a uma solicitação de Maia, que negou. “Afirmo e reafirmo que não é verdade”, disse o presidente da Câmara, que pediu para o ministro da Defesa, Raul Jungmann, “restabelecer a verdade”.
No Senado, também houve bate-boca, e o líder do PMDB, Renan Calheiros (AL), usou a convocação do Exército para criticar o governo. “Beira a insensatez fazer isso num momento em que o país pega fogo”, disse o peemedebista. “Se esse governo não se sustenta, é verdade, não serão as Forças Armadas que vão fazê-lo”, afirmou.

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), rebateu, afirmando que o governo não está caindo, que não está vago e que ninguém pode falar que o PMDB não apoia mais Michel Temer.
Aliados procuraram minimizar o desgaste. “A manifestação que tem aí fora é uma manifestação até pequena pelas informações da internet. Não tem impacto nenhum [para a imagem do governo]. A população não gosta de ver depredação. Isso denigre a imagem de quem faz manifestação”, disse o deputado Beto Mansur (PRB-SP).

A oposição reagiu. “Isso aprofunda a crise e revela a fragilidade de Temer em permanecer à frente do governo”, disse o deputado Paulo Pimenta (PT-RS). Uma questão de ordem foi apresentada por Randolfe Rodrigues (Rede-AP) questionando o decreto presidencial. O pedido foi rejeitado pelo presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), que encerrou a sessão. A partir de então, o decreto tomou conta do debate.

Editoria: Política Tags: , , , , ,

Assine e receba as publicações

Compartilhe esta matéria

Matérias Relacionadas

Comente esta matéria

Enviar comentário

Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e serão removidos.

© 2019 Diadema Jornal. Todos os direitos reservados.
.