0

Com dólar alto, Volkswagen diz ser muito difícil voltar a ter lucro em 2019

Com dólar alto, Volkswagen diz ser muito difícil voltar a ter lucro em 2019

Gustavo Schmidt: “alta do dólar encareceu insumos utilizados pela fabricante para a produção de veículos”. Foto: Divulgação/Volks

A Volkswagen dificilmente voltará a ter lucro em sua operação no Brasil em 2019. Foi o que afirmou nesta segunda-feira, 10, o vice-presidente de vendas e marketing da montadora, Gustavo Schmidt, ao destacar que o principal problema é a alta do dólar, que encareceu insumos utilizados pela fabricante para a produção de veículos, em especial o aço.

A afirmação sinaliza uma mudança de expectativa em relação ao otimismo demonstrado pela empresa no final de janeiro. À época, o presidente da Volkswagen para a região da América do Sul e Caribe, Pablo Di Si, afirmou que a montadora estava muito perto de sair do prejuízo e que a operação voltaria a dar lucro em 2019, depois de seguidos anos no vermelho. Segundo Di Si, a virada só não havia ocorrido ainda por causa da crise da Argentina, para onde a fabricante envia a maior parte da produção brasileira destinada à exportação.

A expectativa de Di Si era sustentada principalmente pela aposta de recuperação da economia brasileira. Em janeiro, as principais instituições financeiras do país estimavam que o PIB cresceria entre 2% e 3% em 2019, impulsionado pelas reformas prometidas pelo governo Jair Bolsonaro.

No entanto, as dificuldades de articulação política do governo deixaram os bancos mais cautelosos, reduzindo as projeções para números mais tímidos, em torno de 1%. O dólar, por sua vez, subiu. No dia 23 de janeiro, quando o presidente da Volkswagen disse que a montadora voltaria a ter lucro em 2019, a moeda norte-americana fechou cotada a R$ 3,76. Depois de superar a casa dos R$ 4 ao longo das últimas semanas, fechou nesta segunda a R$ 3,88.

A dificuldade da Volkswagen de registrar lucro ocorre mesmo em um momento de aumento das vendas. O mercado de automóveis no Brasil cresceu 11,2% no acumulado de janeiro a maio. No entanto, a maior parte desse crescimento se deve a clientes corporativos. Os consumidores tradicionais, que resultam em vendas com maior margem de lucro, ainda apresentam resultados tímidos.

Para Schmidt, vice-presidente de vendas da Volkswagen, o mercado voltado ao consumidor comum só deve acelerar no segundo semestre deste ano, quando os níveis de confiança dos agentes econômicos estiverem maiores, impulsionados pela esperada aprovação da reforma da Previdência.

Editoria: Economia Tags: , , , , , , ,

Assine e receba as publicações

Compartilhe esta matéria

Matérias Relacionadas

Comente esta matéria

Enviar comentário

Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e serão removidos.

© 2019 Diadema Jornal. Todos os direitos reservados.
.