0

Correios entram com ação de dissídio de greve no TST

Correios entram com ação de dissídio de greve no TST

Trabalhadores afirmam que o objetivo da paralisação é impedir a redução de salários e benefícios. Foto: Denny Cesare/Código19/Estadão Conteúdo

Os Correios entraram nesta quarta-feira (11) com ação de dissídio coletivo no Tribunal Superior do Trabalho (TST) após os funcionários decretarem greve geral por tempo indeterminado na noite de terça-feira. De acordo com comunicado divulgado à imprensa, a empresa buscará solução que “não comprometa ainda mais a situação financeira” da estatal.

Segundo a nota, os Correios têm em andamento plano de saneamento financeiro para garantir as operações de forma competitiva e sustentável. Para a empresa, algumas reivindicações dos funcionários superam o faturamento anual da estatal.

“Desde o início de julho, a empresa participa de reuniões com os representantes dos empregados, nas quais foram apresentadas a real situação econômica da estatal e propostas de acordo dentro das condições possíveis, considerando o prejuízo acumulado, atualmente na casa de R$ 3 bilhões. As federações, no entanto, apresentaram reivindicações que superam até mesmo o faturamento anual da empresa”, diz a nota.

De acordo com a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect), os trabalhadores reivindicam reposição da inflação (3,25%) e não querem cortes de direitos conquistados.

Segundo a Fentect, mesmo com a mediação iniciada no TST, referente ao processo de negociação do Acordo Coletivo 2019/2020, a empresa deixou de receber os representantes dos trabalhadores. Para a entidade, a empresa não dá prejuízo e não depende de financiamento público. Os empregados também são contra a eventual privatização dos Correios.

No mês passado, o governo federal incluiu os Correios no Plano Nacional de Desestatização e iniciou fase de estudos para privatizar, total ou parcialmente, a empresa e outras estatais. A abertura de estudos não indica necessariamente que uma empresa será privatizada – restando, como alternativa para as companhias incluídas no plano, a assinatura de parcerias com o setor privado.

Segundo os Correios, devido à greve, um Plano de Continuidade de Negócios foi montado pela empresa. Postagens e entregas, correspondências e encomendas Sedex e PAC continuarão sendo realizadas em todos os municípios. Já os serviços com hora marcada (Sedex 10, Sedex 12, Sedex Hoje) estão suspensos temporariamente.

Editoria: Economia Tags: , , , , , ,

Assine e receba as publicações

Compartilhe esta matéria

Matérias Relacionadas

Comente esta matéria

Enviar comentário

Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e serão removidos.

© 2019 Diadema Jornal. Todos os direitos reservados.
.