0

HB20 aposta em visual polêmico e equipamentos para fazer frente ao Onix

HB20 aposta em visual polêmico e equipamentos para fazer frente ao Onix

Dianteira do HB20 herda visual polêmico do sedã Sonata, que dividiu opiniões. Foto: Divulgação/Hyundai

General Motors e Hyundai têm travado inte­ressante ba­talha no segmento de carros compactos – que, por extensão, também vale o título de mo­delo mais vendido do Brasil. O Onix tem levado a melhor com folga nos últimos quatro anos e caminha para o pentacampeo­nato em 2019, tendo o HB20 como vice-líder desde 2016. Po­rém, a montadora sul-coreana espera embolar a disputa com o lançamento, nesta semana, da nova família de veículos produzida em Piracicaba (SP).

HB20 (hatch), HB20S (sedã) e HB20X (aventureiro) mantiveram a plataforma, mas pas­saram por profundas reesti­li­­za­ções na linha 2020. Com preços entre R$ 46.490 e R$ 81.290, a famí­lia aposta no visual re­novado e na oferta de novos equipamentos para seduzir o consumidor brasileiro.

O desenvolvimento da nova família HB20 demandou investimentos de US$ 200 mi­lhões. Outro aporte na casa de R$ 125 milhões anunciado em março deste ano teve como objetivo aumentar a capaci­da­de de produção da fábrica de Piracicaba de 180 mil para 210 mil unidades/ano, das quais 150 mil para o HB20 e o restante para o SUV Creta.

Em sete anos, a Hyundai contabilizou mais de 1 mi­lhão de unidades emplacadas do HB20, o que só aumentou a expectativa em relação à segunda geração.

Assim como o Sonata, o novo HB20 também incorporou a evolução da linguagem de design da marca, denominada “Esportividade Sensual”. Porém, diferentemente do que ocorreu em 2012, quando o hatch recebeu aprovação quase unânime ao chegar às concessionárias, desta vez o visual dividiu opiniões.

Entre os destaques estão a grade dianteira, com efeito cascata, e os novos faróis, que acompanham lado a lado os vincos do capô. As linhas que  cortam a silhueta lateral do HB20 partem dos faróis – aparecem entre as janelas e as maçanetas – e terminam no meio da porta traseira. Outro vinco surge nas bases das portas e complementa o visual.

Na traseira, o sedã ganhou ares de fastback (carroceria de dois volumes e meio), com queda acentuada do teto. O desenho remete à identidade visual dos “irmãos maiores” da Hyundai Elantra e Sonata.

No caso do HB20X, a ins­piração foi o carro-conceito Saga EV, apresentado pela Hyundai no Salão Internacional do Automóvel de São Paulo, no ano passado.

A família cresceu 30 mm na distância entre-eixos, o que se traduz em maior espaço interno para os ocupantes. Porém, ficou abaixo do Onix – que, apresentado à imprensa na semana passada, cresceu 70 mm nesse indicador. O porta-malas segue com 300 litros nas configurações hatch e X, e passa de 450 para 475 litros na configuração sedã.

A empresa informou ainda que a participação do aço de alta resistência na estrutura da carroceria do HB20 passou de 19% para 30% em todas as configurações, o que contribuiu para redução de peso e aumento da segurança em colisões.

Por dentro, o painel mudou inteiramente, com a adoção de linhas limpas e horizontais. O quadro de instrumentos ga­nhou velocímetro digital e con­ta-giros analógico, além de central multimídia de oito polegadas nas versões top de linha.

Motor 1.0 Turbo de três cilindros é novidade sob o capô

Sob o capô, a principal no­vidade da nova família HB20 é o motor 1.0 Turbo GDI com três cilindros e injeção direta de combustível. O novo propulsor equipa as versões Evolution, Diamond e Diamond Plus do hatch HB20 e do sedã HB20S.

Assim, o HB20 se iguala a outros sedãs com essa configuração de motor sob o capô, como o Volkswagen Virtus e o recém-lançado GM Onix.

Com o sistema de injeção direta (GDI), turbo e intercoo­ler, o propulsor entrega 120 cv de potência e torque máximo de 17,5 kgfm a 1.500 rpm – o que, segundo a Hyundai, garante ultrapassagens mais seguras, pois a força total do motor está disponível em baixa rotação. A opção turbo está sempre acoplada ao câmbio automático de seis velocidades.

As demais versões do no­vo HB20 trazem como opções os motores flex 1.0 12V de três cilindros ou 1.6 16V de quatro cilindros, agora com 80 cv e 130 cv de potência, respectivamente, com transmissão manual ou automática de seis velocidades.

De série, a família HB20 oferece direção elétrica, ar-con­­di­cionado, volante multi­fun­­cio­nal, vidros dianteiros elétricos, sistema Iso­fix de fixação da cadeirinha infantil, travas elétricas, limpador e desembaçador traseiros, banco do motorista com ajuste de altura, computador de bordo e rádio com Bluetooth e entrada USB.

As versões top de linha, por sua vez, oferecerão equi­pamentos que, segundo a Hyundai, não existiam em seu segmento, como alerta de mudança de faixa e sistema de alerta e frenagem autônomo.

As vendas do HB20 hatch co­meçarão na primeira quin­zena de outubro. Nos meses seguintes devem che­gar às concessionárias da marca as versões sedã e aventureira.

A família será vendida em seis opções de acabamento e três de motorização, com preços a partir de R$ 46.490, o hatch; R$ 55.390, o sedã; e R$ 62.990, o HB20X. O novo Onix parte de R$ 48.490 e o Ford Ka, de R$ 45.590.

 

Editoria: Nacional Tags: , , , , , , , , ,

Assine e receba as publicações

Compartilhe esta matéria

Matérias Relacionadas

Comente esta matéria

Enviar comentário

Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Diário Regional. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e serão removidos.

© 2019 Diadema Jornal. Todos os direitos reservados.
.